| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • You already know Dokkio is an AI-powered assistant to organize & manage your digital files & messages. Very soon, Dokkio will support Outlook as well as One Drive. Check it out today!

View
 

NormasABNT

Page history last edited by PBworks 16 years, 12 months ago

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

 

1 - OBJETIVO

2 - REFERÊNCIAS NORMATIVAS

3 - ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

 

Capa

Folha de rosto

Anverso da folha de rosto

Verso da folha de rosto

Folha de aprovação

Dedicatória (com exemplo)

Agradecimentos (com exemplo)

Resumo na língua vernácula

ABSTRACT - Resumo em língua estrangeira

Lista de ilustrações

Lista de tabelas

 

Lista de abreviaturas e siglas

Lista de símbolos

Sumário

 

4 - ELEMENTOS TEXTUAIS

5 - ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

6 - FORMATO


 

1 - OBJETIVO

Estas normas estabelecem os princípios gerais para a apresentação da monografia do curso de pós-graduação das Faculdades Integradas do Instituto Científico de Ensino Superior e Pesquisa.

 

2 - REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Estas normas contêm prescrições que seguem disposições estabelecidas na Norma Brasileira 14724 – Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação.

 

3 - ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

Os elementos pré-textuais que deverão compor as monografias são apresentados nos itens 3.1 a 3.12.

 

3.1 Capa

a)nome da instituição: “Faculdade ________________________”

b)nome do(s) autor(es);

c)título;

d)subtítulo, se houver;

e)número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada capa a especificação do respectivo volume);

f)local: “CIDADE”;

g)ano da entrega.

 

3.2 Folha de rosto

Composta de verso e anverso, conforme apresentado nos itens 3.2.1 e 3.2.2.

 

3.2.1 Anverso da folha de rosto

Os elementos deverão ser apresentados na seguinte ordem.

a)nome do(s) autor(es);

b)título principal do trabalho: deve ser claro e preciso, identificando o seu conteúdo e possibilitando a indexação e recuperação da informação;

c)subtítulo (se houver): deve ser evidenciada a sua subordinação ao título principal, precedido de dois pontos;

d)número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada folha de rosto a especificação do respectivo volume);

e)natureza: “Dissertação submetida como exigência parcial para a obtenção do grau de Especialista em ........ à Comissão Julgadora das Faculdade_______________”

f)nome do orientador e, se houver,do co-orientador;

g)local: “CIDADE”;

h)ano da entrega.

 

3.2.2 Verso da folha de rosto

Deverá conter a ficha catalográfica, conforme o Código da Catalogação Anglo-Americano vigente. Obs. Normalmente a Instituição de ensino fica responsável pela inserção da ficha catalográfica.

 

3.3 Folha de aprovação

Colocado logo após a folha de rosto, constituído pelo nome completo do(s) autor(es) do trabalho, título do trabalho e subtítulo (se houver), natureza (“Dissertação aprovada como exigência parcial para a obtenção do grau de Especialista em ........ à Comissão Julgadora das Faculdade__________________________” ), data de aprovação, nome completo, titulação e assinatura dos componentes da banca examinadora e instituições a que pertencem.

 

3.4 Dedicatória(s)

Elemento opcional, colocado após a folha de aprovação.

Exemplo:

Dedico este trabalho às minhas filhas Flávia e Patrícia por se constituírem diferentemente enquanto pessoas, igualmente belas e admiráveis em essência, estímulos que me impulsionaram a buscar vida nova a cada dia, meus agradecimentos por terem aceito se privar de minha companhia pelos estudos, concedendo a mim a oportunidade de me realizar ainda mais.

(MODELO DE DEDICATÓRIA - tamanho 12 – podendo ser em itálico – alinhado a 6 cm da margem esquerda – espaçamento simples – digitado acima da margem inferior – sem aspas)

[http://www.claretiano.edu.br/monografia/modelos/modelo_7_dedicatoria.htm]

 

3.5 Agradecimento(s)

Elemento opcional, colocado após a dedicatória.

 

Exemplo:

 

Ao nosso Orientador Prof. JOSE FERREIRA DE OLIVEIRA pelo incentivo, simpatia e presteza no auxílio às atividades e discussões sobre o andamento e normatização desta Monografia de Conclusão de Curso.

Especialmente a Professora DILMA FERREIRA DE OLIVEIRA. pelo seu espírito inovador e empreendedor na tarefa de multiplicar seus conhecimentos, pela sua disciplina nos ensinando a importância do trabalho em grupo e pela oportunidade de participação em publicações, eventos e exercícios simulados.

Aos demais idealizadores, coordenadores e funcionários da UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO do Paraná.

A todos os professores e seus convidados pelo carinho, dedicação e entusiasmo demonstrado ao longo do curso.

Particularmente ao Prof. FLAVIO DA SILVA JUNIOR, por sua vocação inequívoca, por não poupar esforços como interlocutor dos alunos e por suprer eventuais falhas e lacunas.

Aos colegas de classe pela espontaneidade e alegria na troca de informações e materiais numa rara demonstração de amizade e solidariedade.

A nossa querida revisora ANA DE LIMA, sem a qual nossa Monografia não teria a mesma qualidade.

Às nossas famílias pela paciência em tolerar a nossa ausência.

E, finalmente, a DEUS pela oportunidade e pelo privilégio que nos foram dados em compartilhar tamanha experiência e, ao freqüentar este curso, perceber e atentar para a relevância de temas que não faziam parte, em profundidade, das nossas vidas.

 

3.6 Resumo na língua vernácula

Não poderá ultrapassar 500 palavras e deve ser seguido, logo abaixo, das palavras representativas do conteúdo do trabalho, isto é, palavras-chave e/ou descritores.

 

3.7 ABSTRACT - Resumo em língua estrangeira (Para trabalhos de pós-graduação / Mestrado)

Deverá ser digitado em folha separada,com as mesmas características do resumo em língua vernácula. Também deve ser seguido das palavras-chave e/ou descritores na língua.

 

3.8 Lista de ilustrações

Deverá ser elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página. Considerar figuras do mesmo tipo todas as ilustrações (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros).

 

3.9 Lista de tabelas

Deverá ser elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página.

 

3.10 Lista de abreviaturas e siglas

Deverá ser apresentada a relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto, cada uma seguida das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso.

 

3.11 Lista de símbolos

Deverá ser apresentada a relação dos símbolos utilizados no texto, na mesma ordem em que são apresentados, cada um seguido do significado correspondente.

 

3.12 Sumário

Deverá conter as principais partes do texto (divisões, seções e outras), obedecendo à estruturação orgânica da obra e seguindo a numeração progressiva. Cada parte deverá ser acompanhada da respectiva página. Havendo mais de um volume, em cada um deve constar o sumário completo do trabalho.

 

4 - ELEMENTOS TEXTUAIS

 

Constituídos de três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão.

 

4.1 Introdução

Parte inicial do texto. Deverá conter os objetivos do trabalho, o quadro teórico em que ele se fundamenta, a formulação do problema e da hipótese, os trabalhos congêneres referentes ao mesmo tema e conseqüentemente resenha crítica e a orientação do leitor quanto ao assunto a ser abordado.

 

4.2 Desenvolvimento

Corpo do trabalho. Deverá conter a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Deverá ser dividida em seções e subseções que variam em função da abordagem do tema e do método.

 

4.3 Conclusão

Parte final do texto. Deverá apresentar as conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses. Faz parte da conclusão, por exemplo, a indicação das hipóteses que não foram comprovadas e daquelas que o estudo detectou para futuras indicações.

 

5 - ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

 

5.1 Referências

5.1.1 Localização

As referências deverão ser apresentadas no fim do texto.

5.1.2 Regras gerais de apresentação

5.1.2.1 Os elementos essenciais (as informações indispensáveis à identificação do documento) e os elementos complementares (as informações que, acrescidas aos elementos essenciais permitem caracterizar melhor o documento) devem ser apresentados em seqüência padronizada.

5.1.2.2 Para compor cada referência, deve-se obedecer à seqüência dos elementos, conforme descrito na NBR 6023.

 

5.2 Glossário

Elemento opcional. Deve ser apresentado em ordem alfabética.

 

5.3 Apêndice(s)

Elemento opcional. O(s) apêndice(s) deverão ser identificados por letras maiúsculas

consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos. Se esgotadas as letras do alfabeto, deverão ser utilizadas letras maiúsculas dobradas para realizar a identificação.

 

5.4 Anexo(s)

Elemento opcional. O(s) anexo(s) deverão ser identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos. Se esgotadas as letras do alfabeto, deverão ser utilizadas letras maiúsculas dobradas para realizar a identificação.

 

5.5 Índices(s)

Elemento opcional. Deverão ser elaborados de acordo com a NBR 6034.

 

6 - FORMATO

 

O formato geral do trabalho deverá ser o seguinte:

a) Os textos deverão ser apresentados em papel branco, formato A4 (21 cm ´ 29,7 cm), digitados na cor preta, com exceção das ilustrações, no anverso das folhas, exceto a folha de rosto.

 

b) A fonte deverá ser de tamanho 12 para o texto e de tamanho 11 para citações de menos de três linhas (com recuo de 4cm e espaçamento simples), notas de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e tabelas.

 

c) As folhas devem apresentar margem esquerda e superior de 3 cm;direita e inferior de 2 cm.

 

d) Todo o texto deve ser digitado com espaço 1,5. As citações de mais de três linhas, as notas, as referências, as legendas das ilustrações e tabelas, a ficha catalográfica, a natureza do trabalho, o objetivo, o nome da instituição a que é submetida devem ser digitados em espaço simples. As referências devem ser separadas entre si por espaço duplo.

 

e) As notas de rodapé deverão ser digitadas dentro das margens, ficando separadas do texto por um espaço simples de entrelinhas e por filete de 3 cm, a partir da margem esquerda.

 

f) O indicativo numérico de uma seção precede o título, alinhado à esquerda, separado por um espaço de caractere.

 

g) Os títulos sem indicativo numérico – errata, agradecimentos, lista de ilustrações, lista de abreviaturas e siglas, lista de símbolos, resumos, sumário, referências, glossário, apêndice(s), anexo(s) e índice(s) – deverão ser centralizados.

 

h) A folha de aprovação e a dedicatória não deverão possuir título nem indicativo numérico.

 

i) Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, deverão ser contadas seqüencialmente, mas não numeradas. A numeração deverá ser colocada a partir da primeira folha da parte textual, em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2 cm da borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha. No caso do trabalho ser constituído de mais de um volume, deverá ser mantida uma única seqüência de numeração das folhas, do primeiro ao último volume.

Havendo apêndice e anexo, as suas folhas deverão ser numeradas de maneira contínua e a paginação deve dar seguimento à do texto principal.

 

j) As seções do texto deverão ser numeradas progressivamente. Os título das seções primárias deverão iniciar em folha distinta. Os títulos das seções deverão ser destacados em negrito.

 

k) As citações deverão ser apresentadas conforme a NBR 10520.

 

l) As siglas deverão ser apresentadas entre parênteses, precedidas das palavras ou

expressões correspondentes grafadas por extenso, quando utilizadas pela primeira vez no texto.

 

m) As equações e fórmulas deverão ser destacadas do texto e apresentadas centralizadas e numeradas (quando for mais de uma). A numeração deverá ser apresentada em algarismos arábicos entre parênteses, à uma distância de 1 caractere à direita. Quando fragmentadas em mais de uma linha,por falta de espaço, deverão ser interrompidas antes do sinal de igualdade ou depois dos sinais de adição, subtração multiplicação e divisão.

 

n) A identificação das ilustrações deverá ser apresentada na parte inferior, precedida de palavra designativa, seguida do número de ordem de ocorrência no texto.

 

Fonte

 


 

Formatação, como faço?

 

1 - Papel

 

Deve ser utilizado papel branco, formato A4 (21,0 cm x 29,7 cm), com digitação de fonte arial ou times new roman tamanho 12, ficando o projeto gráfico sob responsabilidade do autor do trabalho.

 

2 - Margens

 

Objetivando permitir uma boa visualização do texto, assim como reprodução e encadernação corretas, as margens adotarão as medidas a seguir:

 

a) superior: 3 cm;

 

b) inferior: 2 cm;

 

c) esquerda: 3 cm;

 

d) direita: 2 cm;

 

e) parágrafo: 2 cm (recuo da primeira linha a partir da margem esquerda);

 

f) citação longa: 4 cm (recuo a partir da margem esquerda) com espaço interlinear simples e fonte tamanho 11.

 

3 - Espacejamento

 

Os títulos das sessões primárias e secundárias deverão ser apresentados em destaque, ficando separados, do texto que os precede ou que os sucede, por um espaço duplo.

 

O texto deve ser digitado ou datilografado com 1,5 de entrelinhas, exceto as citações longas, notas de rodapé, referências, resumos em vernáculo ou em língua estrangeira, que deverão ser digitados em espaço simples.

 

4 - Paginação

 

As páginas devem ser numeradas seqüencialmente, em algarismos arábicos. A numeração é colocada no canto superior direito da folha, a 2 cm da borda, e a contagem será feita a partir da folha de rosto. A numeração será registrada a partir da primeira folha da parte textual até o final do trabalho. Os números devem ser colocados sem traço, ponto ou parênteses. A paginação das referências, dos anexos e apêndices deve ser contínua. As páginas que não podem ser numeradas (mapas, documentos, etc.) devem ser contadas.

 

5 - Numeração progressiva

 

A numeração progressiva deverá ser adotada para as seções do texto onde os títulos das seções primárias, que se caracterizam como as principais divisões de um texto, devem iniciar-se em folha distinta (8 cm a partir da borda superior), podendo ser utilizados, para destaque, os recursos de negrito, itálico ou grifo e redondo, caixa alta ou versal, e outros, conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (1989). Deverá, ainda, o indicativo numérico de uma seção preceder seu título, alinhado à esquerda por um espaço de caractere. Os títulos sem indicativo numérico, como lista de abreviações, sumário, resumo, referências e outros, devem ser centralizados (8 cm a partir da borda superior).

 

6 - Referências

 

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2000, p. 2) a referência é um “conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que permite sua identificação individual”. Para a elaboração da referência, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2000) deverá ser consultada. Alguns exemplos dos principais tipos de referências são encontrados no apêndice D.

 

7 - Citação

 

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2001a, p. 1), citação é uma “menção, no texto, de uma informação extraída de outra fonte”. Ela pode ser direta, indireta e citação de citação. A citação é considerada direta, quando houver transcrição ipsis litteris, isto é, com as mesmas palavras do autor consultado. A citação é indireta, quando se reproduz livremente, na forma de paráfrase, a idéia do autor. A citação de citação pode ser considerada direta ou indireta e indica que a idéia pertence a um determinado autor, mas que foi extraída da obra de outro autor.

 

A identificação das citações inseridas no texto pode ser feita pelo sistema autor­data ou pelo sistema numérico. O sistema autor-data identifica a fonte pelo sobrenome do autor, data de publicação da obra e página de onde foi extraída a informação. O sistema numérico identifica as fontes em notas de rodapé ou em notas no final do texto (capítulo ou trabalho). Exemplos de textos elaborados pelo sistema autor-data, com notas de rodapé ou no final do texto, podem ser encontrados nos anexos K, L e M.

 

A citação direta pode ser curta ou longa. Observe como devem ser apresentadas no texto:

 

a) quando a transcrição for curta (até três linhas):

 

• fica inserida no texto;

 

• deve estar entre aspas duplas;

 

• deve ser usada a mesma fonte do texto;

 

Exemplo de citação com menos ou igual a 3 linhas:

 

Um dos resultados imediatos foi a introdução do modelo flexneriano nas escolas médicas como afirma (FEUERWERKER, 1998, p. 52) “..mediante apoio à criação de novas escolas apoiadas em sólida base científica e na prática da investigação..."

 

b) quando a transcrição for longa (mais de três linhas) deve:

 

• ser recuada (4 cm) da margem do texto;

 

• constar em fonte menor (tamanho 11);

 

• ser apresentada com o mesmo tipo de letra;

 

• ser digitada com espaço interlinear simples e sem aspas.

 

Exemplo de citação com mais de 3 linhas (citação longa):

 

Esses planos foram as bases para o nosso seguro médico, tudo oriundo da iniciativa privada. Eram as sociedades de socorro mútuo, organizadas sem bases técnicas, mas que deram uma grande contribuição até que a previdência social assumisse esses riscos:

 

<--------- 4 cm -----------> (fonte 11 - para a citação abaixo)

 

[...] Destaca ainda que foi D. João VI quem aprovou um plano para os oficiais da marinha, que vigorou por mais de um século, o qual assegurava o pagamento de uma pensão de meio soldo às viúvas e às filhas do oficial falecido. Era um plano custeado mediante o desconto de um dia de vencimento [...]

 

 

8 - Ilustrações – figuras e tabelas

 

Constituem unidade autônoma que explicam ou complementam visualmente o texto. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (2001b, p. 6) classifica como figuras os quadros, lâminas, plantas, fotografias, gráficos, desenhos e outros. As tabelas e figuras devem apresentar lista própria, com cada item acompanhada, do respectivo número da página. Veja modelo de exemplo de lista de tabelas e figuras nos anexos H e I, respectivamente.

 

REFERÊNCIAS (verifique abaixo a formatação dos nomes dos autores e de suas obras)

 

AMBONI, N.; AMBONI, N. de F. Resenha crítica. Florianópolis: ESAG/UDESC, 1996. Não publicado.

 

ANDRADE, M. M. de. Introdução à metodologia do trabalho científico. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

 

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022: apresentação de artigos em publicações periódicas. Rio de Janeiro, 1994.

 

______. NBR 6024: numeração progressiva das seções de um documento. Rio de Janeiro, 1989.

 

______. NBR 6028: resumos. Rio de Janeiro, 1990.

 

______. NBR 10520: informação e documentação, apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro, 2001a.

 

______. NBR 14724: informação e documentação, trabalhos acadêmicos, apresentação. Rio de Janeiro, 2001b.

 

ASTI VERA, A. Metodologia da pesquisa científica. 8. ed. São Paulo: Globo, 1989.

 

BARRASS, Robert. Os cientistas precisam escrever: guia de redação para cientistas, engenheiros e estudantes. São Paulo: T. A. Queiroz, 1986.

 

BEBBER, G.; MARTINELLO, D. Metodologia científica: orientações para projetos, pesquisa bibliográfica e de campo, relatórios e monografias. Caçador: Universidade do Contestado, 1996.

 

BENEDET, M. B. A produção textual escrita e a prática pedagógica. 2001. 159 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, 2001.

 

CASTRO, Cláudio de Moura. A prática de pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1978.

 

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica: para uso de estudantes universitários. 3. ed. São Paulo: Makron Books do Brasil, 1983.

 

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1998.

 

GALLIANO, A. G. O método científico: teoria e prática. São Paulo: Harper, 1986.

 

GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna. 11. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1983.

 

GIL, A. C. Metodologia do ensino superior. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

 

______. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

 

HERDT, M. L. Metodologia científica: um instrumento auxiliar para produzir, sistematizar e publicar conhecimentos. Palhoça, 2000. Não publicado.

 

JAPIASSU, Hilton. Introdução ao pensamento epistemológico. 7. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

 

KÖCHE, J.C. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. 14. ed. rev. e ampl. Petrópolis: Vozes, 1997.

 

______. Fundamentos de metodologia científica. 12. ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Vozes, 1988.

 

KNABBEN, Jane. O desafio da resolução de problemas na perspectiva Vygostskyana. 2002. 98 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, 2002.

 

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

 

LUCKESI, Cipriano Carlos et al. Fazer universidade: uma proposta metodológica. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1985.

 

MARCANTONIO, A. T.; SANTOS, M. M. dos; LEHFELD, N. A. de S. Elaboração e

divulgação do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 1996.

 

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

 

MEDEIROS, J. B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São Paulo: Atlas, 1997.

 

______.______. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

 

OLIVA, A. Conhecimento e liberdade: individualismo x coletivismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1994.

 

RAUEN, F. J. Elementos de iniciação à pesquisa: inclui orientações para a referenciação de documentos eletrônicos. Rio do Sul: Nova Era, 1999.

 

SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. 5. ed. Belo Horizonte: Interlivros, 1977.

 

_____________. Como fazer uma monografia: elementos de metodologia do trabalho científico. 2. ed. Belo Horizonte: Interlivros, 1991.

 

SALVADOR, A. D. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica: elaboração e relatórios de estudos científicos. 6. ed. rev. e aum. Porto Alegre: Sulina, 1977.

 

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 14. ed. São Paulo: Cortez, 1986.

 

SOARES, M.; CAMPOS, E. N. Técnica de redação: as articulações lingüísticas como técnica do pensamento. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1978.

 

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.